Prefeitura da Serra inicia estudo de desenvolvimento regional que vai ajudar comércio local


02/06/2017 14:03

Comerciantes, representantes de micro e pequenas empresas, do poder público e da comunidade participaram do Seminário para Diagnóstico Econômico Territorial de Serra-Sede


20170531_183030


A Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec) da Serra está realizando um ciclo de Seminários para Diagnóstico Econômico Territorial dos bairros da cidade. A primeira região foi Serra-Sede, que recebeu o evento na última quarta-feira (31).


Segundo o secretário da pasta, Paulo Menegueli, será feito um estudo de desenvolvimento regional para identificar as vocações, entraves econômicos e oportunidades de cada região da Serra. “Essas ações serão feitas por meio de seminários e avaliações técnicas de cada região, com a participação de todos”, afirma. A análise vai beneficiar diretamente os pequenos negócios que atuam no município, que representam cerca de 80% das empresas da Serra.


As compras governamentais foram um dos temas abordados no evento. Giovanna Demarchi, da Comissão Permanente de Licitação, reforçou o incentivo para que as micro empresas da região se cadastrem no catálogo de fornecedores do município, pois é uma grande oportunidade de negócio para os pequenos empresários. “Temos uma cartilha que explica como os pequenos negócios podem participar de licitações e se tornarem fornecedores do poder público”, enfatiza. Todas as licitações são publicadas no diariomunicipal.gov.br e no site da Serra, no link Licitações.


O diretor presidente da Ceturb, Alex Mariano, fez uma análise expositiva das linhas de ônibus e falou sobre as perspectivas para a região de Serra Sede. “O objetivo do transporte é facilitar a vida da população. Entendemos que o centro é distante das demais regiões, por isso estamos trabalhando para melhorar a logística e o acesso às áreas de comércio de Serra Sede por meio do transporte coletivo”, afirma Mariano.


A intenção da Sedec é que, após o diagnóstico, a Prefeitura da Serra ofereça palestras, oficinas e cursos nos bairros, com o objetivo de capacitar a população e levar conhecimento sobre os pontos fortes e fracos da região. Essa etapa terá a parceria do Sebrae-ES, que junto à prefeitura e à câmara, vai elaborar um plano de trabalho com as demandas elencadas. “Temos que fazer um trabalho coletivo para levantar as prioridades, as carências e, principalmente, as potencialidades que venham a trazer benefícios econômicos e sociais para o município”, afirma o representante do Sebrae-ES, Mário Barradas.


20170531_192846


Oferecendo total apoio a esse trabalho, o direto da Femicro-ES, Wanderley de Oliveira, frisou que a Serra é um dos municípios capixabas que possuem mais associações de micro e pequenas empresas filiadas à Federação, e que as entidades que representam as MPE devem caminhar juntas, por isso será fundamental sua participação no projeto. O presidente da Femicro-ES, José Vargas, reforçou a importância da aproximação do poder público e dos empresários. “Colocamos a Federação à disposição para trabalharmos juntos em prol do desenvolvimento dos pequenos negócios”.


20170531_200806


Comerciantes apontam suas demandas


O secretário Menegueli abriu o microfone para os participantes apresentarem suas demandas e sugestões. Um pequeno comerciante presente evento desabafou sobre as dificuldades enfrentadas pelo comércio em relação à imagem de violência. “Hoje a Serra está sendo prejudicada porque as pessoas têm medo de ir ao local devido às más noticias que são divulgadas na imprensa.


Já o empreendedor Wilson Zon lembrou a promessa de revitalização do centro da Serra que ainda não ocorreu. “Essa é uma das demandas mais importantes para os comerciantes e moradores, falta estacionamento rotativo no centro, estamos aguardando essa reforma desde 2014”, reiterou.


Em relação ao incentivo à participação nos pregões, o comerciante João Falqueto declarou que já se inscreveu para concorrer à licitação, mas perdeu para uma empresa de fora do Estado. “Sempre esbarramos em alguma questão que impede a microempresa de fornecer para o setor público. Pedimos mais atenção às empresas locais”, aponta. Outra demanda que surgiu da população foi inserir nas oficinas o debate sobre a promoção de atividades culturais, esportivas e voltadas para o turismo da região.